Mercado Futuro

O mercado futuro pode ser entendido como uma evolução do mercado a termo. Nele, os participantes se comprometem a comprar ou vender certa quantidade de um ativo por um preço estipulado para a liquidação em data futura.

A definição é semelhante, tendo como principal diferença a liquidação de seus compromissos. Enquanto no mercado a termo os desembolsos ocorrem somente no vencimento do contrato, no mercado futuro os compromissos são ajustados diariamente. Todos os dias são verificadas as alterações de preços dos contratos para apuração das perdas de um lado e dos ganhos do outro, realizando-se a liquidação das diferenças do dia. Além disso, os contratos futuros são negociados somente em bolsas.

O contrato futuro caracteriza-se por:

·    Padronização acentuada;
·    Elevada liquidez;
·    Negociação transparente em bolsa mediante pregão;
·    Possibilidade de encerramento da posição com qualquer participante em qualquer momento, graças ao ajuste diário do valor dos contratos;
·    Utilização do mecanismo das margens depositadas em garantia e do ajuste diário para evitar a acumulação de perdas.

As desvantagens operacionais do mercado futuro são:

·    Exigir elevada movimentação financeira devido aos ajustes diários (instabilidade no fluxo de caixa);
·    Custo mais elevado do que os contratos a termo;
·    Necessitar de depósito de garantias.

Exemplo de hedge no mercado futuro – Boi Gordo

Um frigorífico exportador de carne precisa suprir sua necessidade de abate para o mês de abril de 2013, equivalente a 20.000 cabeças de gado, para que possa honrar seus compromissos de exportação.

No mercado futuro, no dia 16/08/2012, a arroba do boi para abril de 2013 estava cotada a R$ 55,00. Para não correr o risco de alta no preço do boi gordo, o frigorífico vê que essa cotação para o mês de abril lhe garante um custo compatível com sua receita de exportação. Decide, então, comprar 200 contratos (o equivalente a 4.000 cabeças de gado) para vencimento em abril de 2013, para proteger uma parte de suas compras. Esta operação é conhecida como hedge de compra.

Ele fixou, portanto, um objetivo de compra das 4.000 cabeças a R$ 55,00 x 330 (número de arrobas por contrato) x 200 = R$ 3.630.000,00. No vencimento do contrato futuro, em 28 de abril de 2013, as posições serão encerradas pela média dos últimos 5 dias úteis do preço à vista em São Paulo, calculado pela ESALQ, conforme estabelece o contrato futuro da BM&FBovespa.

No dia 28, esse preço pode ser, por hipótese, acima, igual ou abaixo aos R$ 55,00 por arroba. O frigorífico liquida sua posição em bolsa, vendendo o mesmo número de contratos que tinha comprado, e compra o boi gordo ao preço que estiver no mercado à vista.

Veremos abaixo o resultado da operação para três diferentes preços do ativo no mercado à vista, no momento do encerramento:

Como pode ser observado, qualquer que seja o preço no vencimento, o preço de compra do boi em abril será de R$ 55,00.

No primeiro caso, ele recebe R$ 2,00/arroba na Bolsa, mas paga R$ 57,00/arroba no mercado disponível, obtendo uma compra final de R$ 55,00. No terceiro caso, ele paga R$ 1,00 por arroba na Bolsa, mas compra o boi no disponível a R$ 54,00, totalizando os mesmos R$ 55,00/arroba.

Atenção: a título de simplificação, esse exemplo não considera os ajustes diários, os custos relativos à prestação de margens de garantia no mercado futuro nem demais custos de transação envolvidos, como os de corretagem e emolumentos da bolsa.