Fundos de investimento em ações

São fundos constituídos com o objetivo de investir no mercado de ações. Portanto, têm como principal fator de risco a variação de preços de ações admitidas à negociação no mercado organizado.

Devem investir no mínimo 67% do seu patrimônio em ações admitidas à negociação em mercado organizado ou em ativos relacionados, como bônus ou recibos de subscrição, certificados de depósito de ações, cotas de fundos de ações, cotas dos fundos de índice de ações e Brazilian Depositary Receipts (BDR) classificados com nível II e III.

Recursos remanescentes podem ser investidos em outros ativos financeiros, desde que respeitados os limites de concentração aplicáveis a todos os tipos de fundos.

O regulamento do fundo pode prever a possibilidade de que a parcela do patrimônio investida em ações, ou nos ativos relacionados, não se sujeite ao limite por emissor. Nessa hipótese, o termo de adesão deve conter alerta de que o fundo pode estar exposto a significativa concentração em ativos financeiros de poucos emissores, com os riscos daí decorrentes.

Os fundos de ações são mais indicados para objetivos de investimento de longo prazo e para investidores que suportam uma maior exposição a riscos, em troca de uma expectativa de rentabilidade mais elevada.

Dependendo das características dos ativos que integram a sua carteira, assim como da política de investimento, os fundos da classe “Ações” podem receber os seguintes sufixos.

 

Ações – BDR Nível I

Utilizado para os fundos de ações que incluem em sua carteira, entre os ativos que representam seu principal fator de risco e dentro dos 67% que precisam ser investidos em ações ou em ativos relacionados, os BDRs classificados como nível I.

 

Ações – Mercado de Acesso

Podem ser constituídos fundos de ações cuja política de investimento preveja que no mínimo 2/3 (dois terços) do seu patrimônio líquido seja investido em ações de companhias listadas em segmento especial de negociação voltado ao mercado de acesso, instituído por bolsa de valores ou entidade de mercado de balcão organizado e que assegure, contratualmente, práticas diferenciadas de governança corporativa.

Esses fundos devem receber o sufixo “Mercado de Acesso” e, se constituídos como condomínio fechado, podem investir até 1/3 (um terço) de seu patrimônio líquido em ações, debêntures, bônus de subscrição ou outros títulos e valores mobiliários conversíveis em ações de companhias fechadas, desde que elas adotem práticas de governança corporativa previstas na regulamentação.

Os fundos “Ações – Mercado de Acesso” devem participar do processo decisório da companhia investida, com efetiva influência na estratégia e na gestão.

 

Conheça as outras classes de fundos.